O Medo destruiu a Humanidade
19 de Novembro de 2015
Quebra as tuas correntes!
2 de Dezembro de 2015
Mostrar tudo

Saber ser sensitivo ou empata

É ao mesmo tempo um dom e uma maldição sentir tudo de forma assim tão profunda como acontece com os sensitivos, ou ainda mais com empatas.

Ser uma pessoa sensitiva, ou empata, significa que ter a capacidade de perceber e ser afectado pelas energias de outras pessoas e/ou ter uma capacidade inata de sentir e perceber intuitivamente outros. A sua vida é inconscientemente influenciada pelos desejos dos outros, pensamentos e estados de espírito. Ser um empata é muito mais do que ser altamente sensível e não está limitado apenas às emoções. Pessoas mais sensitivas podem perceber sensibilidades físicas e impulsos espirituais, bem como apenas saber as motivações e intenções de outras pessoas.

Os sensitivos sabem coisas, sem lhes ser dito. É um conhecimento que vai além da intuição, mesmo que essa seja a forma como muitos poderiam descrever o saber.

Quanto mais sintonizados eles são, mais forte este dom se torna. Estar em locais públicos pode ser esmagador ou avassalador: lugares como shoppings, supermercados ou estádios onde há uma grande quantidade de pessoas ao redor pode preencher o empata com as emoções turbulentas vindas de outras pessoas. Alguns deles vão sentir emoções vindas daqueles que estão perto e outros poderão sentir as emoções de pessoas a uma grande distância, ou até ambas. Os empatas mais sintonizados irão saber se alguém está a ter maus pensamentos sobre eles, até mesmo a uma grande distância.

empathsSe o empata possuir uma energia surya intensa, assistir a violência, crueldade ou tragédias na televisão (vídeo ou imagens) pode tornar-se insuportável. Quanto mais sintonizado um empata se torna, pior se torna o acto de ver TV. Pode acontecer, eventualmente, este ter de parar de ver televisão e ler jornais por completo.
Um empata sabe quando alguém não está a ser honesto ou se está a dizer alguma coisa que pretende manipular, seja porque consegue captar os sintomas físicos de uma outra pessoa (um empata pode desenvolver as doenças de outra pessoa) ou os sintomas mentais (podem entrar em depressão junto de deprimidos ou em euforia perto de alguém embriagado).

Há habitualmente uma atracção para a cura, as terapias holísticas e todas outras coisas metafísicas ou esotéricas: embora muitos sensitivos gostassem de curar os outros, podem acabar por se afastar dessa vocação (mesmo tendo eles uma capacidade natural para isso), depois de se terem estudado e formado, porque eles carregam muito daqueles que eles estão a tentar curar. Especialmente se eles não sabem da sua capacidade e habilidade da empatia. Qualquer coisa que tenha uma natureza sobrenatural é de interesse para os sensitivos e não se surpreende ou fica chocado facilmente.
É típico o amor pela natureza e pelos animais e não rara vez têm uma natural necessidade de solidão (um empata vai agitar-se e ficar louco se ele não receber algum tempo de silêncio – isto é muito evidente em crianças empatas).

Pessoalmente, sempre soube que a energia de uma pessoa revela muito mais do que as suas palavras. Quando criança era sossegado, tímido e preferia sempre estar escondido, resguardado… apenas observava. Apercebia-me e sentia cada nuance de cada pessoas e das suas emoções e pensamentos. sem dúvida que tudo isto foi intenso e até mais próximo de uma maldição do que de um dom.
No final da minha adolescência, decidi agarrar a minha capacidade de empata/sensitivo pelo mundo e tratar da minha baixa auto-estima. Tudo ocorreu num espaço de horas porque tomei como minhas algumas regras que ao longo dos anos fui desenvolvendo e aperfeiçoando (com maior ou menor dificuldade).
Eis essas regras para que outros sensitivos ou empatas possam, também eles, atingir um ponto de auto-segurança, equilíbrio e felicidade.

1

Não tome responsabilidades pela dor dos outros em situação alguma


Sendo um empata sintonizar-se-á facilmente ao lado denso dos outros. As dores, as frustrações, os falhanços… lembre-se que há pouca coisa que pode fazer pelos outros. Claro que os pode guiar, orientar, mas no final da história serão sempre eles a ter de lidar com as suas próprias dores e frustrações.
2

Viva intensamente e rapidamente as suas dores, em vez de as evitar


Pode soar contraproducente, mas na realidade esta é das mais importantes lições para enfrentar a sua sensitividade. É essencial que use a energia que tem, que a sinta, que a escoe… Quando nos preocupamos em fugir e escapar da dor, reprimindo-a e abafando-a, perpetuamos um ciclo interno de energia densa que ficará mentalmente e energeticamente sempre connosco. Como se guardassemos sofrimento. Em vez de fugir a correr, devemos ficar e sentir. Sente-se, relaxe… deixe que a sensação se apodere completamente e viva-a relaxadamente. Viva a fadiga, a confusão, a raiva, a dor e enfrente as verdadeiras causas das coisas de forma pensada, ponderada e depois simplesmente respire fundo e siga em frente!
3

Desenvolva a sua auto-estima para lidar com as suas características de empata


Sensitivos com baixa auto-estima sofrerão horrores. Não se esconda atrás da desculpa que por sentir todas essas coisas dos outros lhe é impossível aguentar. Compreenda que no seu corpo, mente e energia só entra aquilo que permite, pelo menos de forma a conseguir infectar o seu próprio estado. Esqueça essa mania de dizer que é ‘esquisito’ e que ‘odeia ser diferente’. Seja-o com todo o orgulho e viva-o com todo amor!
4

Ser empata não é ter empatia!


Foi um trabalho árduo para conseguir perceber que não tenho que ter uma montanha de empatia só porque sou empata. Empatia é a habilidade de olhar além da fachada superficial do que uma pessoa diz ou faz, perceber a situação deles, os seus comportamentos, crenças e sentimentos. Empatia é tudo sobre perceber os outros de forma emocional e inteligente. Ser empata é tudo isto mais o lado cinestésico, físico, emocional e energético…. muitas vezes o empata sente nele mesmo, sem compreender ou saber porquê. Perceber esta diferença ajudou-me a crescer tanto na empatia saudável como na condição de ser empata.
5

Aprender a escudar-se energeticamente é fulcral


Embora sejam sempre técnicas temporárias que pecam pela curta duração, existem imensas que podem ser úteis e que não tenho palavras para expressar a grandeza da sua importância. Escolher um mestre de reiki e/ou prana bhakti de confiança que saibam que uma terapia holística e bioenergética é algo que deve ser feito e vivido com amor e não com comércio.
6

A meditação é a solução


Como empata é de enorme importância incorporar no nosso dia a dia uma forma consistente de catarse, de sintonia energética, de compreensão do mundo. Aprender a ancorar-se e a sentir-se. Escolha o seu tipo de meditação preferida: dance, cante, medite, passeie… sinta o seu interior para aprender a sentir o seu exterior.
Partilhas