A vida é uma viagem de balão!
17 de Janeiro de 2016
2016: O início da macacada!
7 de Fevereiro de 2016
Mostrar tudo

Como ‘empatibilizar’ de forma segura?

Empatia, no conceito de se ser empata, é a habilidade de perceber e sentir os outros através das suas emoções.

Ao se ser um empata é sempre inevitável a troca energética (áurica e não só) com outras pessoas e as suas vivências e isto irá inexoravelmente fazer absorver energias de outrem… absorver mágoas, sofrimentos, sacrifícios e dores emocionais.
Esta ‘troca’ de energias é muitas vezes uma machadada no nosso equilíbrio e actua por vezes de forma tão subtil que não nos apercebemos do quão densos estamos a ficar com isto.

Quem me conhece sabe que raramente, ou nunca, uso a expressão ‘energia negativa’, porque na realidade o positivo e o negativo, ou bem e mal, são conceitos que nós criamos e adaptamos a um vocabulário pobre e que na realidade está a passar um juízo de valor sobre os outros. A energia pode ser medida por frequências e densidades e estar denso, com notório desequilíbrio energético não faz de nós más pessoas ou seres negativos. Somos o que somos e só a título opinativo podemos quantificar e qualificar a energia dos outros com a consciência que estaremos sempre a julga-los.

Se já esteve algures, ou convive, com pessoas mais densas o que a seu sistema energético sente é uma espécie de contaminação tóxica de energias. Aprender a parar de absorver as energias dos outros, independentemente da sua densidade, é algo de extrema importância nos dias de hoje, já que o seu equilíbrio (em especial se é empata) pode facilmente ficar em risco.

Há alguns conselhos que costumo dar nesta área e que podem ser-lhe muito úteis nesta protecção.

1. Lembre-se que não pode agradar a todos

Se alguém o pressiona, se queixa de si ou desdiz o que faz e pensa, não ache que é a sua missão tentar convencer e explicar a essa pessoa que está errada ou que deveria vê-lo de forma diferente. Isto irá apenas solidificar a troca de energias que inevitavelmente o sugará ainda mais para uma frequência energética que não é a sua, tornando-o energeticamente dependente da opinião destes… e brevemente dependente da opinião de todos os outros.
Ninguém é igual é si… mentalize-se que é único e que nem todos vão gostar de si e daquilo que faz. Todos temos o nosso próprio processo nesta vida e este processo não exige que seja similar ao seu ou ao de qualquer outra pessoa. Ao amar-se a si acima da opinião dos outros estará a trazer para qualquer troca energética uma barreira de auto-confiança e auto-respeito que não permitira ser drenado pelas opiniões alheias.
Recorde que não está cá para mudar ninguém. Não faça sua a missão de arranjar e concertar a vida dos outros, altere o seu mundo e o seu mundo mudará de forma equilibrada.

2. Cuidado com quem convidas à tua vida

O seu corpo, mente e ambiente são o seu templo. Quem está a convidar a entrar nele? É um convite aberto ou as pessoas devem limpar os pés antes de entrar?
Se dermos um pedaço de pão a alguém num dadfo dia, no dia seguinte é o pão todo que irão exigir. se deixamos alguém ficar pelo fim-de-semana, eles tentarão ficar uma semana ou duas.
Somos os principais culpados de presença dos outros no nosso templo e este é um ponto essencial para o nosso equilíbrio.
É excelente sermos generosos e darmos muito de nós… mas preocupamo-nos em primeiro com as duas questões mais fulcrais antes desta entrega?

  • Nunca ajudes sem que te peçam ajuda.

  • O que não te faz bem, não te faz falta.

3. Elimine as relações de parasitismo

Um parasita necessita de um hospedeiro para sobreviver. Esta comparação pode aparentemente ser muito forte, porém e mesmo que de forma mais subtil há um sem número de pessoas que nos rodeiam para nos ‘parasitarem’.
Quando damos demasiada atenção a alguém, estamos a dar-lhe energia. Seja qual for o nosso foco, um relacionamento com os chamados vampiros energéticos é uma porta aberta para um parasitismo disfuncional que nos estará a diminuir energeticamente e a atrasar emocionalmente. Muitos irão despejar todo o seu ‘lixo’ em si, e depois seguir caminho para a próxima pessoa. Oferecer um ouvido amigo pode parecer uma excelente forma de ajudar, mas há uma linha muito ténue que separa quando estamos a ir além do que nos é suportável e aceitável.
Ame-se incondicionalmente e pondere quem, ou o quê, deve tirar da sua vivência, do seu ambiente. Deixe de ser hospedeiro para aqueles que descarregam todas a frustrações em si. Diga-lhes que parem! Diga-lhes que não é a melhor altura! Não é errado rejeitar o ‘lixo tóxico’ dos outros.

4. Encontre-se com frequência

Passeie junto ao mar sozinho, ande pela natureza, medite, relaxe… respire!
Respirar correctamente e meditar de alguma forma poderá trazer-lhe a tranquilidade que precisa para conseguir separar o que necessita remover da sua vida e o que pode deixar lá. Encontre-se consigo frequentemente e aprenda a compreender-se para mais facilmente aprender a identificar o que é e o que o está a desestabilizar.
Caminhe seguro pela sua jornada, levante a cabeça nas suas decisões e não permita que os outros o inferiorizem. Conheça-se pois esse será o princípio de um belo amor incondicional.

5. Seja responsável por si mesmo

O que sente, as pessoas com quem interage e as situações por que passa são completamente da sua inteira responsabilidade. Tudo acontece numa roda karmica e como costumo dizer: A vida não é mãe, é madrasta. Muito do que nos aparece na vida é para testar o nosso aprendizado seguindo os nossos padrões karmicos de comportamento.

Na realidade, a fazer a mesma coisa nunca ninguém conseguiu obter resultados diferentes.

Mentalize-se que não é uma vítima e que ninguém, por mais poderoso que seja, tem controlo sobre si e sobre o seu pensamento. Analise como os seus pensamentos e expectativas se manifestam em cada situação que o incomoda. E se a resposta desta vez está em tomar total responsabilidade pelos seus actos e vivências? E se agora fizesse de forma diferente? E se mudasse os seus níveis de irritabilidade, paciência e compaixão? Enquanto não observarmos correctamente as coisas iremos sempre victimizarmo-nos inconscientemente, tal como nos ensinam a fazer desde que nascemos. Mas não precisamos de seguir os padrões dos outros!

6. Faça escolhas

Coloque-se apenas em situações que o tornam feliz, que lhe trazem engrandecimento, que lhe permitem estabilizar energeticamente. Somos merecedores de brilhantismo, então porque havemos nós de nos contentar com menos?
Decida-se por si e escolha para si apenas o melhor eliminando tudo o resto.
Fisicamente cuide do corpo sem seguir a opinião dos outros sobre se está bem ou mal. Como se sente? Faça algo por isso!
Mental e emocionalmente, faça as limpezas supracitadas e tome as rédeas da sua jornada. Só está na sua vida quem quiser que esteja!
Energeticamente aposte mais em si e proteja-se, se calhar até com o aprendizado de algumas técnicas como o Prana Bhakti, o Reiki e a Meditação.

Seja empata, mas seja feliz!

Partilhas